domingo, 11 de abril de 2010

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Inevitável

Criança fala secho
Adulto fala secso
Velho fala cesso
E a morte faz parar

Desculpa, Almir

Ando devagar
Porque já tropecei
Num toco
E me estrepei todo

Sobre escrever

Parei no poema nove
E vi que faltava um
Procurei
Procurei
Procurei
E achei
Dentro do meu chapeu

Preferência

Vivo correndo
Mas volto pro mar

Sigo nadando
E volto pro ar

E quando voo
Continuo voando

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Sexo

Não transo
Não tenho prazer
Sexo pra mim
É uma iguaria
Da família real

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Odores na estufa de vidro

Pensei que nada havia
Ali na garrafa de rum
Mas vi logo de cara
Que ali morava um pum

Patriótico

Amo meu país
Acho que agora quero
Parar pra comprar um cheese

Confusão

Subi a montanha segunda
Depois descobri
Que escalei uma bunda

Piada

Tenho uma piada para contar
De tão sem graça, vou jogá-la no mar

Traição

Hoje me senti traído
Pensei que era um anjo
Mas era um cupido

Preenchimento

Algo encheu meu coração
Doutor, o que será?

Pra rimar bem

Tenho um amor
Do tamanho do mundo

E tenho um amigo
Chamado Raimundo

Vazio

Tenho um vazio
Dentro de mim
Comerei quiabo
Ou será aipim?

Contraponto

O mundo mudou
Mas minha geladeira
Continua cheia

terça-feira, 6 de abril de 2010

Reflexo

E o mundo respondeu
Ao que ele dizia
Com muita força

Tendência pessoal

Escrevo um poema
Que se mistura comigo

Proeza

Consigo ser duas pessoas
Eu e Felipe

Dose de sono e álcool

Escrevo sempre nos momentos de sono profundo
E aproveito o momento para tomar um conhaque

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Exagero

Senti
Mas não refleti
Até que foi bom

sábado, 3 de abril de 2010

Prova de fogo

Descubra
Se fogo é quente
Colocando a mão

Prova de amor

Descubra se o cara te ama
Dando-lhe uma calcinha
De dia dos namorados

Prova de amizade

Descubra se o cara é amigo
Dando-lhe um beijo
De aniversário

A

Antes
Amanheceu

Amor
Apareceu


Anoiteceu

S

Sentimento sereno
Serei sempre
Seu servo

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Animal de uma figa

Banana pra você!!!
Seu macaco

Dorminhoco

Ele vinha me chamando
Amigo, te espero
Sono, seu nome

Nascimento

Não sei se é o bebê que sai
Ou se o mundo que puxa

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Sexo I

Sexo no parque
Assusta o mickey
Diria Walt disney

Sexo II

Sexo na praia
Suja de areia
Diria o surfista

Sexo III

Sexo sem paixão
Dura pouco
Diria a fogosa

Sexo IV

Sexo na cozinha
Atrapalha o serviço
Diria dona Maria

Sexo V

Sexo de quatro
Dá trabalho
Diria o ninfomaníaco

Sexo VI

Sexo sobre rodas
Atrapalha os mano
Diria o skatista

Sexo VII

Sexo antes do casamento
Atrasa a cerimônia
Diria o religioso

Ócio

Ócio não é preguiça
É só uma maneira
De chegar mais perto
Da cama de maneira elegante

Français

Língua de fresco é o francês
O queijo vira fromage
E o trabalho métier
Prefiro meu português
Com capoeira, arroz e dendê

Babado

Tenho uma fofoca para contar
Não sei se conto
Não sei se guardo
Acho que prefiro
Publicar
Num jornal

Poema às avessas

Batatinha quando nasce
Quer logo crescer
Mamãezinha quando dorme
Quer continuar dormindo

Feriado

Um bom feriado
É como uma boa música
No lugar
Na hora
E com a pessoa certa

Paixão

Chega o dia da paixão
Ele vai se aproximando
Aproveito o ensejo
Pra matar meu desejo

Linda

Achei uma mulher linda
Que me encantou
Penso que vou nessa
Para ver meu grande amor